Posts tagged ‘Conferência de Revisão de Durban’

Multilateralismo e ações afirmativas

Folha de São Paulo: 10 de maio de 2009

Artigo do ministro Edson Santos*

O BRASIL está honrado por sua participação na Conferência de Revisão da 3ª Conferência das Nações Unidas contra o Racismo, realizada em Genebra, na Suíça. Nossa delegação, formada por representantes governamentais e da sociedade civil, ficou satisfeita por ter contribuído na redação de um documento forte, porém equilibrado, que trouxe avanços em relação à terceira conferência, realizada em Durban, na África do Sul, em 2001.

O documento de Genebra não singulariza qualquer país, trata de forma adequada as tragédias do passado, condena a islamofobia, o antissemitismo e outras formas de intolerância e coloca no centro do debate as vítimas do racismo e da discriminação.

Entre as conquistas, tivemos o destaque conferido à aplicação de políticas de ação afirmativa, a abertura para a discussão de temas ligados à orientação sexual e a importância do combate à intolerância religiosa.

Mais do que qualquer nação, o multilateralismo foi o verdadeiro vencedor da conferência. E o Brasil, com base no consenso alcançado, poderá aprofundar e diversificar as políticas públicas de promoção da igualdade racial, inclusive no campo externo.

Ganhou impulso, por exemplo, o Plano de Ação Conjunta Brasil-Estados Unidos de Combate ao Racismo. Em reunião realizada na última semana, em Washington (EUA), foram aprofundados os eixos centrais da cooperação entre os dois países, entre os quais estão educação multirracial, preservação da memória e acesso à justiça e ao crédito.

No plano interno, vamos seguir em nossa luta cotidiana pela construção do Plano Nacional de Igualdade Racial, que se traduz em diretrizes para a aprovação da Lei Orçamentária. No Congresso, vamos continuar o diálogo sobre os projetos de lei que criam o Estatuto da Igualdade Racial e o sistema de cotas raciais para o acesso às universidades públicas.

Temos consciência de que a aplicação das ações afirmativas no Brasil é uma questão ainda distante do consenso. A garantia dos direitos das comunidades quilombolas e a política de cotas raciais nas universidades, para ficar em dois exemplos, afetam diretamente setores que não querem dividir com mais ninguém o acesso à terra, ao saber e às benesses de nosso desenvolvimento.
As ações impetradas na Justiça pelo partido Democratas contra o sistema de cotas e a titulação das terras quilombolas são uma prova disso.

Curiosamente, os membros desse mesmo partido, que fez parte da coalizão que sustentava o governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso, nunca se pronunciaram contra o decreto que, no apagar das luzes daquela administração, criou cotas de 20% para negros no serviço público federal.

Hoje, esse segmento político, com aliados em outros partidos e na mídia, desconsidera a enorme dívida do Estado e da sociedade brasileira em relação ao segmento negro da população. Preveem, em exercícios de futurologia, que as cotas vão acirrar o conflito racial em nosso país.

No entanto, o projeto de lei que estabelece a política de cotas atende a uma realidade já consagrada, a partir da autonomia universitária, em 23 universidades federais, 25 universidades estaduais e três centros federais de educação tecnológica.

A aprovação do sistema de forma espontânea a partir dos conselhos universitários comprova a aceitação da medida no seio da sociedade.
Nenhum incidente envolvendo ódio racial foi registrado nessas instituições.

Pelo contrário, seis anos após a adoção pioneira dessa política na Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e na UnB (Universidade de Brasília), podemos afirmar que a medida foi bem recebida no ambiente acadêmico, principalmente graças à abertura e à generosidade da juventude brasileira.

As políticas de ação afirmativa devem passar ao largo da discussão político-ideológica, ao contrário do que quis fazer crer um pré-candidato à Presidência da República, em artigo publicado recentemente nesta Folha.

É, na verdade, uma questão de reparação histórica, que deve ser consolidada enquanto política permanente do Estado brasileiro até que tenhamos uma sociedade com relações étnicas mais equilibradas. O que significa igualdade de oportunidades para todos.

Para tanto, é preciso tratar os desiguais de forma desigual, elevando os desfavorecidos ao mesmo patamar de partida dos demais.

* EDSON SANTOS , 54, deputado federal pelo PT-RJ (licenciado), é o ministro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República.

11/05/2009 at 5:35 pm Deixe um comentário

Declaração de representantes da sociedade civil da América Latina e Caribe

DECLARACION DE REPRESENTANTES LA SOCIEDAD CIVIL DE AMERICA LATINA Y EL CARIBE EN LA CONFERENCIA DE EVALUACION DE DURBAN, 2009 GINEBRA

Reunidos en Ginebra, Suiza desde el 20 al 24 de Abril del 2009, nosotras y nosotros: afrodescendientes, pueblos indígenas, mujeres, jóvenes, lesbianas, gays, travestis, transexuales, bisexuales, transgéneros, gitanos, personas con discapacidad, personas viviendo con VIH y Sida, migrantes, refugiados, desplazados internos, personas privadas de libertad.

MANIFESTAMOS QUE:

1.  En medio de una profunda crisis global económica, ecológica y alimenticia; de la redefinición de estructuras institucionales tanto de estado como de economía, confrontamos nuevos y viejos retos en nuestras luchas contra el racismo, y en oposición a todas las formas de discriminación y por ende de desigualdad económica, política, y cultural. Esto apunta al recrudecimiento del racismo, la xenofobia, y formas conexas de discriminación lo que pone al relieve la importancia fundamental de combatir el flagelo del racismo para construir sociedades más justas y democráticas.

2.  Reconocemos que el que se haya realizado esta conferencia de evaluación de la Declaración y Plan de Acción de Durban es un logro, el cual en gran medida engendrado por los esfuerzos de la sociedad civil en los últimos ocho años, a pesar de las gestiones de los detractores del proceso para marginar y eliminar la agenda de Durban contra el racismo.

3.  Reconocemos que el Articulo 1 del Documento de Revisión reafirma la Declaración y Plan de Acción de Durban con lo cual estamos en pleno acuerdo, ya que el DDPA sigue siendo vigente para nosotros en tanto declaración de principios y agenda de trabajo contra el racismo y la discriminación en el mundo de hoy.

4.  A la misma vez, estamos defraudados tanto por el proceso que condujo a la reunión de evaluación en Ginebra, como por el contenido del documento de revision por las siguientes razones:

1.  Tanto la mayoría de los gobiernos como el sistema de la ONU demostraron no tener el nivel de interés y compromiso necesarios para una implementación adecuada de la Declaración y Plan de Acción de Durban. Solamente se llevaron a cabo dos conferencias regionales (una en África y otra de America Latina y el Caribe) previas las cuales no fueron debidamente financiadas. Por otro lado, se le negó participación efectiva a la sociedad civil en el proceso por la falta de financiamiento y un esfuerzo dirigido a boicotear y debilitar el proceso. La ausencia relativa de la sociedad civil en el proceso constituye un precedente peligroso en cuanto a los mecanismos de participación democrática en los procesos de la ONU, sobre todo en no hacer la gestión para promover las voces activas de aquellos que sufren diariamente de discriminación y odio.
2.    La intensa presión de los países que boicotearon la Conferencia culminaron con un documento que contó con una participación casi nula de la sociedad civil, el cual fue rápido y precozmente aprobado por los Estados. Esto tuvo como resultado un documento de revisión sin contenido sustantivo que ni evalúa claramente, ni articula mecanismos de implementación del plan de Durban.
3.  Apesar de que sabemos que la mayoría de los gobiernos no cumplieron con la Declaración y Plan de Acción de Durban, el proceso de evaluación no cumplió con su fin principal de evaluar los gobiernos lo cual se demuestra claramente en un documento de evaluación que no evalúa ni los avances ni las limitaciones en la agenda de Durban. Entendemos que esto es en parte debido a falta de voluntad de las instituciones tanto gubernamentales como multilaterales, pero también debido a la intromisión de disputas geopolíticas que no deberían perturbar la agenda mundial contra el racismo y la discriminación.
4.  El documento de revisión es omiso con relación a una serie de cuestiones centrales que planteaba el DDPA, entre ellas: la violencia estructural hacia la juventud negra y indígena y su acceso inequitativo a la justicia; la violencia e intolerancia religiosa hacia las religiones de matriz africana; el acceso inequitativo al derecho a la educación debido a factores de discriminación; la invisibilización del racismo en los medios de comunicación; la discriminación en base a la orientación sexual e identidad de genero; las reparaciones como mecanismo primordial para la promoción de la igualdad racial y democracias participativas; la creación de mecanismos que aseguren el reconocimiento del Estado a las tierras ancestrales, tanto indígenas cuanto afrodescendientes.
5.   La actitud tanto de los gobiernos que declararon boicot y no asistieron a la conferencia como de los que re retiraron de ella (Alemania, Australia, Canada, Checoslovaquia, Estados Unidos, Holanda, Israel, Italia, Nueva Zelandia, Polonia, ), demuestra tanto una carencia de compromiso activo con los principios y políticas contra el racismo expresas en la agenda de Durban, como también una actitud contraria a la cultura de la ONU que se fundamenta en el dialogo y el debate multilateral como métodos necesarios para adquirir consensos mínimos y avanzar en proyectos de justicia y paz.
6.  El documento no enfatiza de manera adecuada el hecho de que las mujeres siguen enfrentando formas agravadas de racismo, discriminación y xenofobia por su condición de género, raza y etnia, su orientación sexual, religión, edad, discapacidad, que se manifiestan en abuso y explotación sexual, exclusión, trata, tráfico y diversas formas de violencias basadas en género, tales como la violencia doméstica e institucional.

DEMANDAMOS QUE

1.   Se diseñe y lleve a cabo un plan de trabajo, tanto de parte del sistema de la ONU como de parte de los gobiernos, con el fin de realizar la implementación inmediata de la agenda de Durban. Esto exige una voluntad política para combatir el flagelo del racismo a través de reformas institucionales (ejecutivas, legislativas, y judiciales) y cambios en la cultura publica, e implica garantizar los recursos necesarios para la implementación verdadera del DDPA.
2.  La organización de ramas gubernamentales dirigidas hacia las equidades raciales y contra la discriminación, elevadas a los más altos niveles de estado y coordinadas con políticas universales hacia el desarrollo, la igualdad, la democracia, y los derechos humanos. Que las políticas universales reconozcan los principios de reparaciones en vista de los legados de la esclavitud y colonialismo, y que se implementen políticas de acción afirmativa.
3.   Se garantice un rol mas activo y protagónico a la sociedad civil en la discusión y deliberación que define el plan de acción de Durban y en el monitoreo de su implementación por parte de los gobiernos. Esto implica mayor representación y recursos para que la sociedad civil real y efectivamente pueda cumplir un rol clave en el proceso de Durban.
4.  Que los Estados Americanos ratifiquen y atribuyan Estatus Constitucional a los tratados internacionales de Derechos Humanos contra la discriminación y el racismo, incluyendo entre otras: la Declaración de las Naciones Unidas sobre los Derechos de los Pueblos Indígenas, la Convención Internacional para la Eliminación de toda Forma de Discriminación Racial, la convención relativa a la lucha contra las discriminaciones en la esfera de la enseñanza, la Convención para la Eliminación de todas las Formas de Discriminación contra las Mujeres, y la Convención Internacional sobre la Protección de los Derechos de los Trabajadores Migrantes y de sus Familias.
5.  Que los Estados ratifiquen e implementen el Convenio 100 de la OIT que trata de la relación de género en materia de igualdad salarial entre hombres y mujeres, asi como el Convennio 111 de la OIT que prohíbe todo tipo de discriminacion en el ambiente de trabajo.
6.   Que todos los Estados de la región que no hayan ratificado el ICERD lo hagan y que los Estados que tengan reserva al artículo 14 lo ratifiquen, reconociendo la competecia para las peticiones individuales.
7.  Concluir con las negociaciones de la Convención Interamericana para la Eliminación del Racismo y todas las Formas de Discriminación e Intolerancia.
8.  Respetar e incorporar la Declaración de las Naciones Unidas sobre los Derechos de los Pueblos Indígenas (aprobado el 13 de septiembre del 2007), a las leyes nacionales como reconocimiento de la lucha lograda por los pueblos indígenas para la superación de la discriminación y racismo histórico y moral. Así mismo, exhortamos a los países que aun no han ratificado la Declaración mencionada ni el Convenio 169 de la OIT lo hagan efectivo.
9.  Se le otorgue un lugar más fundamental a medidas contra la homofobia y de respeto al derecho a la orientación sexual y la identidad de genero en la agenda de Durban.
10.  Que dentro del proceso de Durban se fortalezcan y elaboren los principios y medidas, y se implementen acciones concretas para combatir las multiples formas de discriminación contra las mujeres.
11.  Se reconozca en la agenda de Durban la libertad religiosa, incluyendo el derecho a practicar religiones de matriz Africana, que se articule y promueva oposición a todos los fundamentalismos incluyendo aquellos que atentan contra la libertad sexual y reproductiva de mujeres, homosexuales, lesbianas, travestis, transgéneros y transexuales.
12.  Se reconozcan la xenofobia y la discriminación contra los migrantes como uno de los problemas mayores de hoy día, especialmente la discriminación contra mujeres migrantes.
13.  Reformas estructurales en un plazo no mayor de 3 años a los sistemas de judiciales y a los procedimientos penales que garanticen un acceso a la justicia sin discriminación para los jóvenes afrodescendientes, en particular los jóvenes afrodescendientes LGBT, así como medidas efectivas que enfrenten la criminalidad y la brutalidad policial.
14.  La protección, restitución y administración del acervo y patrimonio cultural y material de afrodescendientes e indígenas incluyendo nuestros lugares sagrados, nuestros territorios ancestrales, religiones tradicionales, lengua, música, danza, conocimiento medicinal, monumentos y todas las expresiones en todos los aspectos de nuestras culturas materiales, intelectuales y espiritual.
15.   Políticas públicas inmediatas que garantice los derechos de la infancia, adolescencia y juventud afrodescendiente e indigenas especialmente con relación al acceso universal y permanencia en el sistema educativo que considere su identidad cultural y el derecho a la no discriminación en el marco de la Convención Internacional de los derechos de los niños.
16.  Involucrar en el debate, toma de decisiones y monitoreo de las políticas públicas a todos los pueblos y grupos discriminados y apoyar la causa de los gitanos conforme a lo aprobado en Santiago en el 2000.
17.  Desarrollar acciones efectivas como la consulta previa con consentimiento previo, libre e informado para la protección de los territorios ancestrales históricamente habitados por los pueblos afrodescendientes e indígenas como los quilombos en Brasil, los consejos comunitarios de comunidades negras y resguardos indígenas en America Latina.
18.  Crear y sostener un Foro Permanente para Africanos y Afrodescendientes dentro del sistema de la ONU.
19.  Reactivar la iniciativa de la creación del Comité Internacional de Jóvenes reafirmado el punto 216 del DDPA, con carácter amplio y representativo, de manera a facilitar el dialogo entre los jóvenes en nivel nacional e internacional sobre el racismo, discriminación racial, xenofobia e intolerancias conexas.
20.  El asegurar que en la próxima ronda de censos se produzcan datos desagregados por género, raza, etnia y religión de las poblaciones que están siendo censadas.
21.   Realizar otra reunión para evaluar e impulsar con vitalidad y certeza la agenda de Durban en el año 2011, a la cual llamaríamos Durban + 10.

Para concluir reafirmamos nuestro compromiso con los principios profundamente democráticos articulados en la Declaración y Plan de Acción de Durban. Mientras haya racismo no habrá democracia. Por eso es imperativo el convertir a la agenda de Durban en una fuerza viva por la justicia e igualdad. Es un pilar en el poder transformativo de nuestros movimientos que trabajan día a día por un mundo libre de discriminación, donde se promueva la igualdad en la diferencia y la ciudadanía sustantiva. En el mejor espíritu de la Declaración y Plan de Acción de Durban, reivindicamos el rescate y cultivo de nuestra memoria colectiva de lucha y vida como una garantía de que al recordar el pasado hemos de construir en el presente un futuro de democracia plena y libertad.

24/04/2009 at 8:20 pm 1 comentário

Vitoriosas, porém insatisfeitas

Conferência de Revisão de Durban  – Intervenção das organizações não-governamentais Criola, Geledés (Instituto da Mulher Negra), Centro Feminista de Estudos e Assessoria (Cfemea) e Agere Cooperação em Advocacy

Há oito anos, os movimentos de mulheres latino-americanos e caribenhos (negras, indígenas, lésbicas e anti-racistas) iniciaram e intensificaram suas ações para fazer valer a Declaração e o Plano de Ação aprovados em Durban. Com muito esforço político, com recursos escassos, participamos dos processos de construção dos Fóruns da Sociedade Civil das Américas e da Conferência Regional para a revisão destes documentos, realizada em junho de 2008, no Brasil, e finalmente chegamos este espaço das Nações Unidas para Conferência de Revisão de Durban.

Viemos porque estamos comprometidas com a Conferência de Durban e porque sabemos que o racismo é uma enorme injustiça e um dos maiores entraves que a humanidade tem de enfrentar para acabar com a violência e avançar no sentido da realização progressiva, plena e universal dos direitos humanos.

Por que sabemos que há interesses muito poderosos ao norte do planeta para enterrar o Plano de Ação de Durban, de modo a não assumirem as responsabilidades pela invenção e promoção do racismo em todo o mundo, nas suas formas passada e contemporânea.

Porque sabemos que ignorar a Declaração e o Plano de Ação de Durban, deixá-los cair no esquecimento é uma estratégia daqueles que promovem, produzem e reproduzem o racismo,  para ampliar suas margens de lucro, concentrar a riqueza e o poder em todo o mundo. É desta fonte que se alimentam os defensores do unilateralismo e dos fundamentalismos religiosos para promover guerras e invasões, genocídios, e outras formas de violência, para sujeitar a humanidade aos seus interesses.

Por essas razões, vamos regressar aos nossos países vitoriosas, porque os estados membros das Nações Unidas reafirmaram a Declaração e o Plano de Ação de Durban e não permitiram nenhuma margem para retrocesso em relação ao que foi acordado em 2001, na África do Sul.

Porque os únicos 10 países que se retiraram da Conferência, são,  inquestionavelmente, responsáveis por enormes dívidas acumuladas no passado e no presente, desde o tráfico transatlântico de escravos até a política xenófoba anti-migrações, que privam milhões de pessoas dos seus mais elementares direitos.

Porque todos os países da África, Ásia e América Latina e Caribe, sem exceção, reiteraram seus compromissos. E porque o Grupo de Países da América Latina e do Caribe, em diálogo com a sociedade civil aqui presente, desempenhou papel relevante para que o consenso fosse alcançado.

Vitoriosas, porém longe de estarmos satisfeitas.

O processo de Revisão não foi democrático. Não foram garantidas as condições necessárias à participação da sociedade civil. A falta de conferências preparatórias nas regiões do mundo e, conseqüentemente, a inexistência de espaço para que as organizações da sociedade civil que representam as vítimas do racismo, da discriminação racial, da xenofobia e de intolerâncias correlatas pudessem aportar as suas avaliações,  críticas e demandas restringiu enormemente a esfera política de debate sobre o problema.

E, mesmo na América Latina e Caribe, onde realizamos um Fórum da Sociedade Civil e uma Conferência Regional para Durban + 8, a precariedade de informações, aliada à falta de recursos inviabilizaram a participação ampla e avaliação efetiva sobre o alcance dessa Conferência pela sociedade civil.

A reafirmação do Plano de Ação de Durban é uma vitória desta Conferência de Revisão, mas não basta. Que a Declaração dessa Conferência de Revisão expresse sua preocupação frente à omissão em relação a desafios e obstáculos que persistem desde Durban (conforme manifesto no parágrafo 4) também nos parece fundamental, porém insuficiente.

Para o movimento de mulheres, em especial o movimento de mulheres afro-latino-americanas, afrocaribenhas e da diáspora, tal constatação exige que os Estados partes, as Nações Unidas e os organismos multilaterais,  integrantes desta Conferência, sejam responsáveis e conseqüentes em relação aos compromissos assumidos e, neste sentido, consideramos fundamental e demandamos:

1. a afirmação dos princípios da laicidade dos direitos humanos e da liberdade religiosa, apontando medidas concretas para enfrentar os ataques que as religiões de matriz africana têm sofrido em todo o nosso continente; assim como eliminando das políticas públicas e da legislação os fundamentalismos religiosos católicos e evangélicos que negam às mulheres o nosso direito a ter direitos, em especial no campo da sexualidade e da reprodução humana.

2. o compromisso com a adoção de medidas afirmativas para as mulheres sujeitas a múltiplas formas de discriminação, como estratégia urgente e relevante para avançar no sentido da igualdade de direitos;

3. o compromisso com a criação de mecanismos e o desenvolvimento de instrumentos de monitoramento (indicadores; dados desagregados por raça, etnia, gênero; relatórios periódicos etc.) que possam dar transparência às medidas adotadas para a implementação do Plano de Ação de Durban, bem como aos recursos alocados com este objetivo, (i) revelando os resultados alcançados em termos de combate ao racismo, superação das desigualdades e efetivação dos direitos humanos; (ii) prestando contas à sociedade; (iii) e abrindo espaço à participação e ao controle social sobre o processo de implementação do Plano de Ação de Durban.

4. o compromisso com a valorização e reconhecimento dos direitos das trabalhadoras domésticas que, em praticamente todas as partes do mundo, compõem uma parte altamente relevante da população feminina economicamente ativa e estão sujeitas a múltiplas formas de discriminação, exploração e opressão, derivadas da combinação entre sexismo, racismo, xenofobia, entre outras formas de discriminação.

5. o compromisso com a democratização do acesso a terra e a garantia do efetivo direito à propriedade da terra pelas mulheres, assim como às terras ancestrais para as populações remanescentes de quilombos e povos indígenas.

6. o compromisso com o enfrentamento das discriminações decorrentes de diferentes expressões e identidades de gênero, combatendo a lesbofobia/homofobia.

7. o compromisso com a adoção de medidas para enfrentar a violência e as múltiplas formas de discriminação, inclusive o racismo institucional, a que estão sujeitos os/as jovens, ainda mais aqueles que vivem nas periferias das grandes cidades, em razão da sua raça e/ou origem étnica.

8. a garantia de democratização do poder e cumprimento do direito humano à comunicação é fundamental para a realização plena da cidadania e da democracia.

A Declaração dessa Conferência de Revisão é o fruto do consenso possível entre os Estados Parte das Nações Unidas, obtido sob condições difíceis. O passo seguinte é a sua implementação e de todo o Plano de Ação de Durban. Não temos dúvida, o caminho para cumprir esses compromissos será tão mais curto e rapidamente percorrido quanto mais se fortaleça e amplie a esfera democrática de debate e decisão sobre as estratégias para o enfrentamento do racismo, de modo a incorporar além da representação do Estado (Executivo, Legislativo e Judiciário) a participação ativa da cidadania, das organizações da sociedade civil, dos movimentos de mulheres e dos movimentos sociais de um modo geral, num diálogo democrático para o efetivo e urgente enfrentamento do racismo.

23/04/2009 at 9:01 am Deixe um comentário

Plenária da Conferência de Revisão de Durban aprova documento final

Genebra – A plenária da Conferência de Revisão de Durban aprovou o documento final, recomendado pelo comitê principal e encaminhado pelo comitê preparatório do encontro. O texto retoma a declaração e o plano de ação da Conferência de Durban contra o Racismo, Discriminação, Xenofobia e Intolerâncias Correlatas, realizada há oito anos, na África do Sul.

De acordo com o presidente da conferência, Amos Wako, com a aprovação, os países reafirmaram o direito de todos os povos viverem em segurança e proteção. Segundo Wako, ressalvas ao documento final poderão ser apresentadas na próxima sexta-feira, quando o texto será oficialmente adotado e os debates encerrados.

A aprovação do documento nesta terça-feira foi uma opção do comitê principal, que temia a saída de outros países da conferência e desejava  garantir as propostas aprovadas por cerca de 180 países, inclusive o Brasil e os governos da América Latina e Caribe.

Entre os países que se negaram a participar da conferência estão os Estados Unidos, Israel, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Alemanha, Itália e República Tcheca. As principais objeções apresentadas se referem a um suposto caráter anti-semita da conferência, rechaçado pelos países presentes na conferência.

21/04/2009 at 12:25 pm Deixe um comentário

Comitê principal da conferência aprova documento final

Genebra – O comitê principal da Conferência de Revisão de Durban acaba de aprovar o documento final do encontro, elaborado durante a reunião preparatória. O texto e a recomendação de aprovação seguem agora para a assembléia da conferência.

A expectativa do comitê principal, formado por 18 delegações, é de que o documento seja aprovado na assembléia até o final da tarde, garantindo o texto acordado pelos países presentes e evitando que outras nações se retirem da conferência.

Foi confirmada a relatoria brasileira, sob a responsabilidade de Iradj Roberto Eghrari, diretor-executivo da organização não-governamental Ágere Cooperação em Advocacy e secretário nacional de ações com a sociedade e governo da Comunidade Bahá´í.

Ao documento final, a Líbia fez uma ressalva sobre as menções à questão palestina, que deverá ser apresentada após a aprovação do texto de consenso em assembléia.

A Conferência de Revisão de Durban reafirma a declaração e plano de ação estabelecido há oito anos, na África do Sul, e cobra medidas mais efetivas dos governos, levando em conta o  contexto de acirramento do racismo e discriminação no mundo pós 11 de setembro e crise econômica global.

21/04/2009 at 12:05 pm Deixe um comentário

ONU cobra presença e empenho de países no combate ao racismo

Genebra – “Quem disse que seria fácil?” A pergunta do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki Moon, se referia à luta contra o racismo no mundo, mas também pode ser aplicada ao primeiro dia de discussões da Conferência de Revisão de Durban.

Depois de um final de semana marcado por anúncios de boicotes, a abertura do encontro teve incisivas declarações dos representantes das Nações Unidas, que condenaram a ausência de países como os Estados Unidos e avaliaram como insuficientes as políticas de combate ao racismo, discriminação, xenofobia e outras formas de intolerância.

“A discriminação não acaba por si só. Deve ser enfrentada Precisamos nos manter especialmente vigilantes durante esses tempos de crise econômica”, alertou Ban Ki Moon. “A relação entre pobreza, subdesenvolvimento e discriminação é clara. A Conferência de Revisão é uma oportunidade para fortalecer nossos propósitos e reafirmar nossos esforços comuns.”

Essa união de esforços, no entanto, segue comprometida na ONU. O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, discursou contra Israel e o sionismo, provocando a saída de representantes europeus da sala das assembléias e protestos de ativistas vestidos de palhaços.

Ainda no primeiro dia da conferência, a República Tcheca anunciou que se retira do encontro, seguindo outros países europeus como Itália, Alemanha, Holanda e Polônia.

A União Européia, no entanto, permanece na revisão, já defendida pelos 22 representantes de países e conselhos internacionais que discursaram nesta segunda-feira nas Nações Unidas.

Entre eles, o ministro da Defesa, Justiça e Seguridade de Botswana, Dikgakgamatso Seretse. Em seu discurso, ele se opôs ao silêncio dos países europeus às inúmeras manifestações de racismo e intolerância que surgiram e até mesmo permaneceram após o holocausto, como o apartheid na África do Sul.

20/04/2009 at 9:15 pm Deixe um comentário

Países da Europa e EUA recusam luta contra racismo

Genebra – As Nações Unidas passaram o domingo de portas fechadas. Nenhum discurso ou declaração oficial nas salas de conferências. Já nos hotéis e missões diplomáticas, movimentação intensa das delegações de países como Itália, Austrália, Nova Zelândia, Estados Unidos, Canadá, Israel, Holanda e Alemanha.

Governos que a cada hora apresentam uma justificativa para não participar esta semana da Conferência de Revisão de Durban. A fragilidade dos argumentos mostra que boa parte do mundo ainda se recusa a enfrentar o racismo, a discriminação, a xenofobia e a intolerância.

Em repúdio a essa posição, representantes das organizações da sociedade civil da América Latina e do Caribe se uniram para apoiar os países da região a seguir na conferência. Uma nota neste sentido foi enviada aos governos latino-americanos e caribenhos (leia aqui). As organizações também assinaram um manifesto internacional em defesa da Conferência de Revisão (leia aqui).

“Condenamos estas atitudes, que para nós também são expressões modernas de racismo, uma vez que excluem do debate temas como reparação para a população afrodescendente, combate à discriminação contra as mulheres e respeito à orientação sexual”, afirma a coordenadora da Rede de Mulheres Afro Latino-Americanas, Caribenha e da Diáspora, Dorothea Wilson.

Antes mesmo da chegada do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, os países que se negam a participar da conferência anunciavam o caráter anti-semita do encontro. Até o documento base foi acusado de conter essa conotação. Negociado e aprovado por unanimidade na semana passada, inclusive pela União Européia, o texto não contém os elementos apontados.

“O documento não é contrário a Israel ou ao sionismo, até condena o anti-semitismo. Não fala de Palestina ou Gaza. Chegamos a um bom texto. Não há desculpa para não participar da conferência”, afirma a chefe da missão política brasileira em Genebra, Maria Nazareth Farani Azevedo.

Os Estados Unidos usam como argumento para a ausência nos debates o primeiro parágrafo do texto base, que reafirma a Conferência de Durban, realizada em 2001 e também acusada de anti-semitismo. Diplomatas chegaram a sugerir que uma nota de rodapé fosse incluída no novo texto, explicitando a posição norte-americana, mas ainda assim não conseguiram garantir a presença da delegação oficial.

O governo brasileiro tentou sensibilizar a administração dos Estados Unidos. O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, conversou sobre a conferência com a secretária de Estado, Hillary Clinton, durante a Cúpula as Américas. O presidente Lula fez o mesmo no encontro com Barack Obama.

“A Conferência de Revisão de Durban é muito importante para o Brasil. Não participar é um problema para os Estados Unidos. Principalmente agora, que eles têm um presidente negro, uma liderança que busca restabelecer ao país a condição de diálogo no restante do mundo”, avalia o ministro da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Edson Santos (ouça trecho da entrevista).

Em Genebra, ele já se reuniu com representantes da sociedade civil brasileira. As organizações apresentaram propostas de melhorias no documento durante a conferência. Entre elas, o destaque ao combate à discriminação contra religiões de matriz africana, as formas de enfrentamentos do ódio racial, mecanismos de monitoramento das políticas públicas, promoção do acesso a educação, maior atenção e proteção para a juventude negra, trabalhadoras domésticas e as comunidades quilombolas.

Por Juliana Cézar Nunes
Colaboradora do blog Avaliação Durban e integrante da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-DF)

20/04/2009 at 4:05 am 2 comentários

Posts antigos


No Twitter

Feeds

Visitas ao Blog

  • 19,361 visualizações